Quando a paciência (quase) se esgota. O que fazemos?

Culpado. Assumo-o sem quaisquer rodeios ou eufemismos para mascarar a minha incapacidade. Há dias assim. Em que a paciência se vai. Esvanece-se. Some-se. Para onde é que não consigo bem perceber. Mas vai-se e esvai-se. Perde-se algures pelo meio do caminho vertiginoso que compõe o crescimento saudável de uma criança. E depois fica a culpa. Mas…

Ela já anda, senhores!

Bom… antes de mais importa fazer um pedido de desculpas pela ausência prolongada, mas nem sempre é fácil manter tudo isto! É que pelo caminho há uma criança de 15 meses a crescer a passo tremendamente acelerado e que, muitas vezes, não deixa grande margem de manobra. A missão é difícil desde o início, nós…